terça-feira, 16 de junho de 2020

O Aprendiz da Morte.

O Aprendiz da Morte



Jogo que eu tinha abandonado em 2017, agora retomei pra terminar nesse ano insano de 2020. Seção de jogos atualziada, e a baixo algumas imagens. Coloquei a disposição uma demo atualizada do jogo também.




sábado, 15 de fevereiro de 2020

Bruxólico

Faz um tempinho que comecei a trabalhar no meu próximo game de PC, Bruxólico, inspirado no folclore de Florianópolis e em especial no trabalho de Franklin Cascaes.

Aqui algumas imagens WIP da primeira fase, e uma das músicas que vão compor o jogo:



Uma das músicas...



sexta-feira, 10 de janeiro de 2020


Vi uma postagem no facebook (https://www.facebook.com/hadevirso/posts/1214732378916073) sobre game X arte X e "realismo" dos games atuais e sua busca por ser "arte" e fiquei pensando. Nesse quesito "realismo", que prefiro chamar de "neo-clássico", e que está bem dentro de um certo espírito conservador do nosso tempo, o VG mainstream é obcecado por filminho de CGI tipo Hollywood (ou estaria Hollywood obcecada por filminho CGI tipo video game?).

Mas acho que o interessante mesmo do video game tá no independente: não no Indie, que é rótulo de mercado, mas em quem faz tocando o progra-se pro que o mercado espera. Penso que de forma análoga ao cinema independente dos anos 60 e 70 é no game independente que tem gente explorando as possibildiades da linguagem.

Pra além da limitação técnica (gente fazendo game no PC de casa), o lance do 2D, e até da pixel art, pra mim tem esse diálogo do game como linguagem. O VG neo-clássico tende a representar a coisa em si, e se fechar nisso. Já quem trabalha com gráficos mais cartunescos faz imagens mais próximas do símbolo, que são índice. O Boneco do jogo Double Dragon representa um lutador de artes marciais, sem ser exatamente isso. Por si só ele já tende a ser caracter de linguagem, usar isso conscientemente ou não depende de quem desenvolve o game. O uso do visual dos jogos retrô não precisa ser nostálgico, ele pode ser explorado como um artifício de linguagem.

Acho que ai tá o interessante desse negócio em arte no game: quem entende que o game pode ser linguagem estética (narrativa, interativa, etc, mas estética) pode explorar essa possibildiade. Até um game como o Donkey Kong Country 3, que se supõe mais "realista", não é exatamente isso, o macaco é desenho animado, ele joga na nossa cara que "isso não é um macaco".

Por essas e outras que acho que, como linguagem estética, o auge do VG foi os 8 e 16 bits, pq permitiram um nível detalhamento bem grande, se comparado com os videogames dos primórdios como o PONG, mas ainda forçavam os desenvolvedores (conscientes ou não) a trabalhar no nível da linguagem.

Pra finalizar deixo aqui o link pra um videogame atual que está dentro do que eu estou falando:

Facebook Menos Playstation

terça-feira, 26 de março de 2019

Seção de Instrumentos Musicais atualizada

Atualizei a seção de instrumentos musicais no Blog, adicionando os dois últimos de cordas que fiz do ano passado pra esse:

http://diarioartografico.blogspot.com/p/instrumentos.html

Ainda tenho de fotografar e atualizar com uns instrumentos de percussão que fiz que não estão no Blog ainda.


segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Mockups

Ando bem ocupado fazendo uns freelances de pixel art para um estúdio. Mas nas horinhas vagas ainda brinco de fazer meus testes com gráficos de NES e master system.

Aqui um mockup de um tileset que fiz dentro das limitações do NES:



quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Devwill Too MD - WIP

Eu e o programador, Laudelino, temos trabalhado bastante para terminar nosso game para Mega Drive. Esses dias fiz uma gif "Teaser" do sistema de combos do game, e estamos trabalhando bastante para finalizar as cutscenes. Abaixo os ultimos avanços:






Edit: Aqui um teste "montagem" de como a cut scene poderia ficar dentro das restrições do Master System



segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Carrinhos em Artesanatos

Acabei de atualizar a seção "Artesanatos" com fotos dos carrinhos de madeira que fiz. Eu tinha essas rodinhas sobrando de algum outro trabalho em madeira do passado, etnão me senti obrigado a fazer uns carrinhos. Clique na seção Artesanato á direita ou no link abaixo para ver mais:






https://diarioartografico.blogspot.com/p/artesanatos.html