terça-feira, 9 de novembro de 2021

English translation for Virgil's Purgatory text

 Rough English version (I did a Google translation and tryied to correct some things):

____________________________________________

Thoughts about my the last development cycle - part 1

I recently finished developing my game "Virgil's Purgatory" for ZX Spectrum. I saw people referring to it as "a little game", and I have this tendency to say the same thing myself. However, system restrictions and game size decisions make me return to thinking about the length of a video game.

To put it simple, nowadays I think that the criterion of duration of an independent game has a lot to do with the Player's time relation. Putting me as a player, time is what I don't have. When I stop to play something, which isn't every day, it's that "sitting" that lasts an hour. Reality facts: I've aged, I'm 40 years old, I have other things and activities, I don't have time or patience to spend a lot of time playing. My hands and eyes hurt if I spend too much time in front of the screen with the joypad in my hands. That said, nowadays I prefer games that at least for me have an average duration, and here I include my own games. Games of "one sitting".

The AAA gaming industry has gone down the path of making games longer and longer. The logic is to "make worth" the money invested in expensive machines and games (not only for the player, as these are games that need billionaire budgets, giant teams and developing cycle). If in the 80s they used the difficulty (sometimes exaggerated) to have the effect of replayabillity, now they use lots of cutscenes and hours of gameplay duratin. The big Industry defines most of the market, and they helped change the perception of what a big, medium, or short game is. Personally, I have little interest in AAA, in which I lost genuine interest about a long time.

Now tht I'm a independent developer I use to think of game length in movie terms: 2 hours is a feature film, half an hour to 1 hour is average lenght, and 15 minutes or less is a short movie. Perhaps you can also think of an RPG as a tv miniseries, something you enjoy in chapters a little bit each day. I'm always interested in understanding the game media as a language, similar to cinema, comics, or literature, and not by fashion criteria.

The funny thing is that Virgil's Purgatory, by ZX Spectrum standards, isn't a short game. If you play the game "speed running", and without dying, you should take 25-30 minutes of gameplay. No one in the ZX Spectrum community used the short adjective for my game, but those who are new to ZX game sometimes express that impression. Right now I'm also interested in make retro games, escaping from the programmed obsolescence of the industry, and discovering new aesthetics that old hardware technical limitations can bring me. In Virgil I've tryed it all the time, in visuals, in music, screen repetition, and of course, in game duration time.

The most common ZX Spectrum model had 48kb of ram, no screen scrolling or even hardware sprites. One of the limitations of the MPAGD Engine, which I use to develop the game, is that the game can only be this size at most (even less because of other internal limitations and memory allocations for certain areas of code in the engine). Developing Virgil was a challenge, halfway through I almost gave up, because it ran out of memory and made the game crash all the time, forcing me to go back and remove or redo parts of the game to save on byte count. Sometimes a day of programming adding stuff was followed by another 2 or 3 of code cleaning, or redoing things more "economically". At the end I could have a game with half an hour, 4 level bosses, 4 songs, assorted enemies, loading screen,and complex mechanics for a game of such a system.

For those who are interested in the technical part, I'll summarize the "post mortem" of the game: Its look, black/red/white, was a choice in part to save scenario graphic bytes. More importantly, the style of using 8x8 pixel blocks in the "backgrounds", in a style reminiscent of the Atari 2600 or Odyssey2, was an aesthetic choice also guided by this tile saving and the ZX's "color clash". ZX Spectrum has no sprite hardware, it renderizes everything in a single plane, and sprites have no color property, they use the second color of the tile behind it (scenery made up of 8x8 pixel blocks with 2 colors each).

Both in Virgil, as in the previous game I made for ZX (Devwill Too), the most I could from single screens in memory was 44 screens. On both screens they are planned so that certain screen "inputs" and "outputs" coincide, so that I can reuse the same screen next to different screens, enlarging the size of the scene and making a larger map with these only 44 screens. I reduced parts of the songs, redone loopings, everything to make them smaller and save bytes. At Virgil's I used an "Merge Screens" routine, where I could program that certain screens would render over each other (the transparent tiles on the second screen didn't erase the screen that was rederated before). That way I could have these 44 screens with complex backgrounds, with rich details (it is also common to see backgrounds always black and without details in MPAGD games). Each enemy, and especially bosses and the player's own avatar, require many, many lines of code each (in total 5600 lines of code on my part). Virgil's head has its own code, full of exceptions and possible situations and different attack states in the game.

My conclusion here is that the technical limits influenced my aesthetic choices: from the duration of the game, the content in terms of text and mechanics. What I try to do here is to consciously think and work these limits in my favor, because consciously I can use a language more effectively to achieve a givem aesthetic effect. I speak aesthetics not only as the visual part but understood as the articulation between form and content in an artistic language. I hope that if you've read this far, that you'll stop to think a little about the criteria of what defines whether a game is long, short, the other questions that I just raised, and how much this has to do with the real game content.


Below are some images of the game and its development related to the text and with explanatory captions:


Screens of the finished game, notice the choice of colors and how the "background" landscape is assembled with big blocks of 8x8 pixels.



All these 4 screens here are organized by superimposing a screen with collision elements over a "landscape" screen, designed to make the first ones richer visually by saving precious bytes of memory.



In this video, the first test I did with the "merge screen" programming, where the screen is rederated in two steps, first screen 1 where I set up a background and on it screen 2, 3, etc., which has the blocks from the ground that collide with the sprites.


Above is the MPAGD map editor screen. Notice that some screens repeat themselves, they were made for that. Background screens are not allocated here, they are loaded in the programming code I made when needed (roughly something like screen X, load screen Y first). I also used a good part of the available space to build the map, which can only have a maximum of 16 x 10 screens in width and height.



In the program's Screen Editor, this is screen 9. As mentioned above, this screen is not allocated in the map, it is manually loaded via code before certain screens that complement it.



If you noticed that screen 24 repeats itself many times on the map, now you will understand: it's just a black sky, a screen to be on top of the open areas if the player uses the double jump and "exit" from the top of the screen ( if you didn't have this screen above, the sprite would return under the screen where it started in infinite looping Screen made with saving tiles because it was already overflowing the amount of screens in memory.



Here is a video and review made by a player and game reviewer of ZX Spectrum. Watching me, I realize that he had played before and was trained in the game, already knowing which way to go without wandering too much through purgatory. He plays from beginning to end of the game in half an hour, and fails to catch 1 of the 4 hearts that boost Virgil's vitality.


Remembering that you can purchase the game on itchio, or on my website. Brazilians can also pay the amount in reais via PIX as it is on my website.




____________________________________________

Thoughts about my the last development cycle - part 2

Something that I left out of the previous text was the influences and articulations with other works like movies, literature, and comics, which I do in the construction of the entire aesthetic of Virgil's Purgatory. In part my faulty act, which my friend Luiz Souza called my attention to. In the end, it wouldn't fit everything there is to talk about in the previous text. Some of my picks date back to 2016, when I made the PC version with a Super Game Boy look, and some are recent and have been incorporated into this new version for ZX Spectrum.

One of my constant practices is to seek inspiration outside the world of video games, always articulating sources from other languages. The thing of articulating national and international classic works with the so-called Pop Culture is purposeful, anyway what would be more "Pop" than the video game nowadays? In 2016, I was mainly inspired by the film "Deus e o Diabo na terra do Sol" by Glauber Rocha ("God and the Devil in the Land of the Sun"), by Dante Alighieri's Divine Comedy, and by Cordel's popular literature (string literature).

Years ago, reading the verse edition of The Divine Comedy, I could only think of how similar the "Repente Nordestino" was with it, with the typical verses also frequent in cordel literature, was in form and in certain approaches to Dante's famous work. It is from this articulation that I used to make in my head that the game universe emerged, everything should have a look that refers to woodcuts, often in string literature, with short verses and rhymes, also similar to the work of Dante and the Northeastern Popular Literature.

In "The Divine Comedy" the poet Dante dies and descends to Purgatory. His guide is the ancient Roman poet Virgil (whom he has as his patron in the arts, in the greatest spirit of the Renaissance). Virgil is Dante's spiritual guide, and explains to him the landscape in each of the "planes" of Purgatory, Hell, and Paradise at the end. In every place he passes he meets his detractors, political enemies, bourgeois and priests, as well as friends, each suffering the fate, or torture, that life has led them to deserve.

"God and the Devil in the Land of the Sun" is a reference that I already make explicit in the game's poster art, which copies elements of the art from one of the film's posters. The Practice of citing movie posters, and articulating them with another language, I took from the creation procedure of the black metal band "Ghost", which does a lot of that in song lyrics and record covers. If in music an artist can, and should, look for inspiration outside music, why not videogames as well?

In Glauber Rocha's movie, an important character for the protagonist's destiny, Vaqueiro Manoel, is the pilgrim Santo Sebastião, who preached against the misery of people deprived of support by local landlords. He then gives the protagonist a path to walk, something to follow when he feels lost, until the religious frenzy takes on an almost lysergic atmosfere and mental confusion. Clearly inspired by the figure of "Antônio Conselheiro" (Canudos war in Brazil), this was the figure that inspired the game's Pilgrim. Like the Poet/guide Virgílio from Divine Comedy, my pilgrim gives tips, insinuates the direction the protagonist should follow, but always in an enigmatic and poetic way, giving room for the player/reader's interpretation.

Purgatory is the first place visited by Dante, and it is where in the Christian religion sinful souls who have some salvation atone for their sins. It is a "temporary hell", so to speak, not constituting eternal damnation. There is also an important detail in the characterization of my Virgil's Purgatory: it is not just any purgatory, but the character's personal projection on what purgatory should be. I assume that magic, or the invisible, like the afterlife, can only be what one believes it to be. If the cangaceiro lived in that popular Christian religiosity, the life of a sinner in search of justice, he could only imagine going to purgatory where he would face all his demons. It is about using the magical concept of the "form idea", presented to me by the tales of my friend Luiz Souza,and which can also be identified in the work of Neil Gaiman.

Virgílio was the perfect name, because at the same time that he referred to the poet of the Divine Comedy, he also remembers Lampião's name, Virgulino (most famous Cangaceiro gunslinger in Brazil history). But my cangaceiro is not simply Lampião, he, like Curisco in Glauber Rocha's movie, embodies the spirit of the mythical cangaceiro. That myth is almost always associated with Lampião in "string literature", but which makes the figure of the cangaceiro gunslinger tragic, violent, revolt against the authorities, and also poetic. Result of an arid land and a brutal society, he takes all the hardness of society in deep old Brazil to an extreme (think about wild west).

Something I've done new for this 2021 ZX remake of the game, is related to the look and visuals of the game. In addition to what I said in the previous text about technical limitations, there are also choices that I really appreciate. I was inspired by the woodcuts in "string literature", but it would be much more uninteresting to just reproduce the look of these on the screen. Rereading it through pixel art interests me because I can create an original visual from it. I am then inspired to create something that is "plastically" different from Woodcut, but still retains something of it. Part of the inspiration, at least in the choice of colors, also came from the comic books "Sin City" by Frank Miller. In the drawings of the comics, black and white predominates, with some key elements in red or yellow, from time to time. 

But where do I want to get with all this effort? What does it mean for me to articulate Glauber Rocha, with The Divine Comedy, String Literature, Woodcuts, with the fantastic magician and Frank Miller? It means not only explaining some of the cultural references that formed me, but also associating them without hierarchies, and without idealizations or either shame. Because many times, one work "checks" certain ideals present in the other. It means taking a stand against the idea of ​​culture as a plastered tradition, and understanding that culture is only alive when it is constantly changing. That which has stopped transforming is not alive, and if it is not dead and buried, it becomes a zombie, a "living dead", a carcass that roams and occupies the space that could harbor new life. This is also the case with culture,and any attempt to maintain some artificial "Purity" will always be authoritarian and still doomed to failure in the long run.

What is obsolete in the first world is often new here, and so the industry has a place to dump all the garbage stranded in its warehouses. I wouldn't exactly call it an advantage, but one of the consequences of my cultural formation in the third world, where things always arrive second or third hand, is that we learn to be a kind of "garbage collector". Of looking for the pearls, or their fragments, among the trash from the leftovers of canned goods that are relegated to us to "amuse ourselves" and soothe. On the other hand, we have a poignant traditional folk culture heritage. At this crossroads, the most common is either for people to close themselves in tradition to deny the rubbish that comes from abroad, or to embrace Foreign Pop Culture while ignoring the entire local culture. For me (and luckily not only for me and this is not new in most artistic languages ​​throughout the history of art) there is nothing to throw away. Part of my job is to select and digest what comes to me, and to make pearls from sand if its what it's need. Not to please "the market", not to please any boss, but for the sake of my own cultural survival. I should never let myself run over unconscious of the world that crushes me.



Below is an excerpt of the lyrics from the song I transcribed and is in the middle of the movie "God and the Devil in the Land of the Sun", and that relate to my game (track 7, Corisco, on the movie's soundtrack album):


"From the death of Monte Santo,

left Manoel Cowboy

By the pity of Antonio,

Cangaceiro Killer.


The story goes on,

pay more attention.

Manoel and Rosa walked,

in the paths of the Sertão.


Until one day,

by the yes and the no.

came into their lives,

Curisco, the devil of Lampião"


Soon after, an excerpt from the monologue of the cangaceiro Curisco speaking to his wife, the cangaceira Dadá. I didn't remember this dialogue anymore, I had watched the movie a few years ago and I saw it again moments before writing this text, but it is interesting how the question of the "head" is addressed here and how it is also present in my game:

"Take the ghosts out of my head that I can't stand to see you suffering anymore. It's been 3 days, it's a long time for those who lived in the war. Maria Bonita's body swelled and rotted. The animals are now eating her pretty eyes. Maria died, but Lampião is alive. Virgulino (Lampião birth name) ended up in the flesh but the spirit is alive. The spirit is here in my body and now he has joined the two. Cangaceiro with two heads, one on the outside, the other on the inside. One killing, the other thinking . see if this two-headed man can't fix this backlands" (emphasis mine).


Links and images with more comments:


Blog with stories by Luiz Souza:  https://praiadoesquecimento.blogspot.com/

String Literature; https://en.wikipedia.org/wiki/Cordel_literature

Cangaço https://en.wikipedia.org/wiki/Canga%C3%A7o

God and the Devil in the Land of the Sun: https://en.wikipedia.org/wiki/Black_God,_White_Devil

Full movie: https://www.youtube.com/watch?v=RyTnX_yl1bw

Movie Soundtrack:  https://immub.org/album/deus-eo-diabo-na-terra-do-sol-trilha-sonora-do-filme

Wikipedia entry on Sin City: https://en.wikipedia.org/wiki/Sin_City

Entry on the poet Virgil:  https://en.wikipedia.org/wiki/Virgil


 

First: poster for the movie "God and the Devil in the Land of the Sun", and then a poster I made for the game "The Purgatory of Virgil".


On the right, the cover of the band's first album, Ghost, from 2008, and on the right, the poster for the movie Salem's Lot, also called Black Sabbath, which is certainly one of the films that influenced the creation of the video game Castlevania. More parallels between this band's album covers and movie posters at this link:  https://whiplash.net/materias/news_755/302240-ghost.html



Scene from Glauber Rocha's film: Pilgrim Santo Sebastião uses his cross-shaped staff to restrain Vaqueiro Manoel's wife as he ascends in martyrdom from the steps of Monte Santo carrying a stone and a rosary. I couldn't help but think about the "Myth of Sisyphus" that I've covered in my Devwill Too games. The summary of one of the chapters of Camus' book on Wikipedia is very brief:

In the last chapter, Camus outlines the myth of Sisyphus, who challenged the gods: when captured suffered a punishment: for all eternity, he would have to push a rock of a mountain to the top, the stone then would roll down and it would again have It's all about starting. Camus sees Sisyphus as the being who lives life to the full, hates death, and is condemned to a pointless task, like the absurd hero.

source:  https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Mito_de_S%C3%ADsifo




Woodcut by the northeastern artist J.Borges. More information at:   https://followthecolours.com.br/art-attack/xilogravura-nordestina/



Cover of one of the issues of the comic book Sin City, by Frank Miller.



Below are some comparative screens of the two versions of the game, on the left the version of 2016 for PC, and on the right the version of ZX Spectrum now in 2021, followed by the complete map of purgatory in the latest version.

Title screen on PC and loading screen on ZX Spectrum.

Screen where the journey begins.

A church in such a hellish place? Anyone who watches Glauber Rocha's film will surely see reasons for this...

Caves and their devilish creatures.

A giant coral snake could populate any cangaceiro's nightmare.

A giant ape master, remembering the cangaceiros' persecutors government soldiers.



This is Virgil's Purgatory, where he atones for his sins by trying to regain his head and achieve eternal rest.

Reflexões sobre o ultimo ciclo de Desenvolvimento - parte 2

Algo que deixei de fora do texto anterior foram as influências e articulações com outras obras do cinema, literatura, e quadrinhos, que eu faço na construção de toda a estética de Virgil's Purgatory. Em parte ato falho meu, para o qual meu amigo Luiz Souza chamou minhaa atenção. Ao fim, não caberia tudo que há pra se falar no texto anterior. Algumas das minhas escolhas remontam a 2016, quando fiz a versão de PC com visual de Super Game Boy, e outras são recentes e foram incorporadas nessa nova versão para ZX Spectrum.

Uma das minhas práticas constantes é buscar inspiração fora do universo dos video games, sempre articulando com fontes de outras linguagens. É proposital a coisa de articular obras clássicas nacionais, internacionais, com a chamada Cultura Pop, até por que o que seria mais "POP" que o video game hoje em dia? Já em 2016 eu me inspirei principalmente no filme Deus e o Diabo na terra do Sol de Glauber Rocha, na Divina Comédia de Dante Alighieri, e na literatura popular do Cordel.

A anos atrás, lendo a edição em versos de A Divina Comédia, eu só podia pensar no quanto o Repente Nordestino, com os típicos versos também frequentes na literatura de cordel, eram semelhantes na forma e em certas abordagens à famosa obra de Dante. É dessa articulação que eu fazia na minha cabeça que surgiu o motivo principal para criar o universo do jogo, tudo deveria ter um visual que remetesse a xilogravura, frequentemente na literatura de cordel, com versos curtos e rimas, também semelhante á obra de Dante e a Literatura Popular Nordestina.

Em "A Divina Comédia" o poeta Dante morre e desce ao Purgatório. Seu guia é o poeta da Roma Antiga Virgílio (que ele tem como seu patrono nas artes, no maior espírito da Renascênça). Virgílio é o guia espiritual de Dante, e lhe explica a paisagem em cada um dos "planos" do Purgatório, Inferno, e Paraiso ao final. Em cada lugar que passa ele encontra seus detratores, inimigos políticos, burgueses e padres, e  também amigos, cada qual sofrendo o destino, ou tortura, que a vida os levou a merecer.

"Deus e o Diabo Na Terra do Sol" é uma referencia que já deixo explícita na arte do cartaz do jogo, que copia elementos da arte de um dos cartazes do filme. A Prática de citar cartazes de filmes, e de articular eles com outra linguagem, eu peguei do procedimento de criação da banda de black metal "Ghost", que faz muito disso nas letras das músicas e nas capas dos discos. Se na música um artista pode, e deve, buscar inspiração fora da música, por que também não no vidoegame?

No filme de Glauber Rocha um personagem importante para destino do protagonista, Vaqueiro Manoel, é o peregrino Santo Sebastião, que pregava contra a miséria do povo desprovido de sustento pelos grandes latifundiários. Ele dá então ao protagonista uma caminhada, um caminho a seguir No momento em que ele se sente perdido, até que o frenesi religioso ganha ares quase lisérgicos e de confusão mental. Claramente inspirado na figura de Antônio Conselheiro essa foi a figura que inspirou o Peregrino do jogo. Assim como o Poeta/guia Virgílio de A Divina Comédia, meu peregrino dá dicas, insinua a direção que o protagonista deve seguir, mas sempre de forma enigmática, poética, dando margem para a interpretação do jogador/leitor.

O Purgatório é o primeiro lugar visitado por Dante, e é onde na religião cristã as almas pecadoras que tem alguma salvação expiam seus pecados. É um "inferno temporário", por assim dizer, não constituindo a danação eterna. Tem ainda um detalhe importante na caracterização do Purgatório de meu Virgílio: não é qualquer purgatório, mas sim a projeção pessoal do personagem sobre o que deveria ser o purgatório. Parto do princípio que a magia, ou o invisível, tal como a vida após a morte, só pode ser aquilo que cada um acredita ser. Se o cangaceiro vivia naquela religiosidade cistã popular, vida de um pecador em busca de justiça, ele só poderia se imaginar indo ao purgatório onde enfrentaria todos os seus demônios. Trata-se de utilziar do conceito mágico da "ideia forma", apresentado a mim pelos contos do meu amigo Luiz Souza, e que pdoe ser identificado também na obra de Neil Gaiman.

Virgílio era o nome perfeito, por que ao mesmo tempo que remetia ao poeta da Divina Comédia, também lembra o nome de Lampião, Virgulino. Mas meu cangaceiro não é simplesmente Lampião, ele, assim como o Curisco do filme de Glauber Rocha, encarna o espírito do cangaceiro mítico. Aquele mito quase sempre associado a Lampião na literatura de cordel, mas que torna a figura do pistoleiro cangaceiro trágica, violenta, em revolta contra as autoridades, e também poética. Fruto de uma terra árida e de uma sociedade brutal, ele leva ao extremo toda a dureza da sociedade do Brasil profundo.

Algo que eu fiz de novo, para essa versão do jogo de 2021, está relacionado ao visual do jogo. Para além do que já falei no texto anterior a respeito das limitações técnicas, também existem escolhas que prezo muito. Eu me inspirei nas xilogravuras da literatura de cordel, mas seria muito mais desinteressante apenas reproduzir o visual das Xilos na tela. A releitura através da pixel arte me interessa por que dela posso cirar "o novo". Eu então me inspiro para criar algo que é "plasticamente" diferente da Xilogravura, mas que ainda retém algo dela. parte da inspiração, ao menos na escolha das cores, veio também das revistas em quadrinhos "Sin City", de Frank Miller. Nos desenhos dos quadrinhos predomina o preto e o branco, com alguns elemetos chave em vermelho ou amarelo, de vez em quando. 

Mas onde eu quero chegar com todo esse esforço? O que significa para mim articular Glauber Rocha, com A Divina Comédia, a Literatura de Cordel, Xilogravura, com o fantástico mágico e Frank Miller? Significa não só explicitar algumas das referencias culturais que me formaram, mas também associar elas sem hierarquias, e sem idealizações nem pudores também. Por que muitas vezes, uma obra põe em "check" certas idealizações presentes na outra. Significa me posicionar contra a ideia de cultura como tradição engessada, e entender que cultura só está viva quando está em constante transformação. Aquilo que parou de se transformar não está vivo, e se ainda não morto e enterrado torna-se um zumbi, um "morto vivo", uma carcaça que perambula e ocupa o espaço que poderia abrigar vida nova. Assim também se dá com a cultura, e qualquer tentativa de se manter alguma "Pureza" artificial vai ser sempre autoritária eainda  fadada ao fracasso no longo prazo.

É com frequencia aquilo que é obsoleto no primeiro mundo vira a novidade aqui, e assim a indústria tem onde despejar todo o lixo encalhado em seus armazéns. Eu não chamaria exatamente de vantagem, mas uma das consequencias de nos formarmos culturalmente no terceiro mundo, onde as coisas costumam chegar sempre de segunda ou terceira mão, é que a gente aprende a ser um tipo de "catador de lixo". De procurar as pérolas, ou seus fragmentos, em meio ao lixo das sobras de enlatados que nos são relegados para "nos entretermos" e apaziguarmos. Por outro lado, temos uma herança de cultura popular tradicional pungente. Nessa encruzilhada o mais comum é ou as pessoas se fecharem na tradição para negar o lixo que vem de fora, ou abraçar o Pateta e o Mickey Mouse ignorando toda a cultura local. Como eu me insiro na produção de video games, já sabem, nesse espaço infelizmente predomina o segundo tipo de pessoas. Para mim (e por sorte não só para mim e também isso não é novo na maioria das lingaugens artísticas através da história da arte) não há de se jogar nada fora. Faz parte do trabalho selecionar e digerir aquilo que me chega, e se preciso tirar leite de pedra. Não para agradar o mercado, não para agradar o patrão, mas por uma questão de sobrevivencia cultural, de me por em movimento e não me tornar estanque, ou me deixar atropelar inconsciente do mundo que me esmaga.


Abaixo um trecho de letra da música que transcrevi e está na metade do filme "Deus e o Diabo na Terra do Sol", e que se relaciona com meu jogo (faixa 7, Corisco, no album da trilha sonora do filme):


"Da morte do Monte Santo,

sobrou Manoel Vaqueiro

Por piedade de Antônio,

Matador de Cangaceiro.


A história continua,

preste da mais atenção.

Andou Manoel e Rosa,

nas vereda do Sertão.


Até que um dia,

pelo sim e pelo não.

Entrou na vida deles,

Curisco, o diabo de Lampião"


Logo em seguida um trecho do monólogo do cangaceiro Curisco falando para sua mulher a cangaceira Dadá. Eu não lembrava mais desse diálogo, tinha assistido ao filme a alguns anos atrás e revi ele momentos antes de escrever este texto, mas é itneressante como a questão da "cabeça" é abordada aqui e como também está presente no meu jogo:

"Tira os fantasma da cabeça que não aguento mais ver você no sofrimento. Já faz 3 dias, é muito tempo pra quem viveu na guerra. Corpo de Maria Bonita inchou e apodreceu. Os bicho agora tão comendo os olhos bonito dela. Morreu Maria mas Lampião está vivo. Virgulino acabou na carne mas o espírito está vivo. O espírito está aqui no meu corpo e agora juntou os dois. Cangaceiro de duas cabeça, uma por fora, outra por dentro. Uma matando, e a outra pensando. Agora quero ver se esse homem de duas cabeça não pode consertar esse sertão" (grifo meu).


Links e imagens com mais comentários:


Blog com contos do Luiz Souza: https://praiadoesquecimento.blogspot.com/

Deus e o Diabo na Terra do Sol: https://pt.wikipedia.org/wiki/Deus_e_o_Diabo_na_Terra_do_Sol

O filme De Glauber Rocha na íntegra: https://www.youtube.com/watch?v=RyTnX_yl1bw

Trilha sonora do filme: https://immub.org/album/deus-e-o-diabo-na-terra-do-sol-trilha-sonora-do-filme

Verbete na Wikipedia sobre Sin City: https://pt.wikipedia.org/wiki/Sin_City

Verbete sobre o poeta Virgílio: https://pt.wikipedia.org/wiki/Virg%C3%ADlio



Primeiro: cartaz do filme "Deus e o Diabo na Terra do Sol", e em seguida cartaz que fiz para o jogo "O Purgatório de Virgílio".


A direita a capa do primeiro disco da banda Ghost, de 2008, e à direita o cartaz do filme Salem's Lot, também chamado de Black Sabbath, e que certamente é um dos filmes que influenciou a criação do video game Castlevania. Mais paralelos entre as capas dos discos desta banda e cartazes de filmes neste link: https://whiplash.net/materias/news_755/302240-ghost.html



Cena do filme de Glauber Rocha: O peregrino Santo Sebastião usa seu cajado em forma de cruz para conter a esposa do Vaqueiro Manoel enquanto ele sobe em martírio das escadarias do Monte Santo carregando uma pedra e um rosário. Não pude deixar de pensar no "Mito de Sísifo", que já abordei nos meus jogos da série Devwill Too. O resumo de um dos caítulos do livro de Camus na wikipédia é bem sintético:

"No último capítulo, Camus esboça o mito de Sísifo, que desafiou os deuses: quando capturado sofreu uma punição: para toda eternidade, ele teria de empurrar uma pedra de uma montanha até o topo; a pedra então rolaria para baixo e ele novamente teria que começar tudo. Camus vê em Sísifo o ser que vive a vida ao máximo, odeia a morte e é condenado a uma tarefa sem sentido, como o herói absurdo. Não obstante reconheça a falta de sentido, Sísifo continua executando sua tarefa diária."

fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Mito_de_S%C3%ADsifo




Xilogravura do artista nordestino J.Borges. Mais informações em:  https://followthecolours.com.br/art-attack/xilogravura-nordestina/



Capa de uma das edições da revista em quadrinhos Sin City, de Frank Miller.



Abaixo algumas telas comparativas das duas versões do jogo, á esquerda a versão de 2016 para PC, e á direita a versão de ZX Spectrum agora em 2021, seguidos do mapa completo do purgatório na versão mais recente.

Tela título no PC e tela de carregamento no caso do ZX Spectrum.

Tela onde se inicia a jornada.

Uma ingreja em lugar tão infernal? Quem assistir ao filme de Glauber Rocha vai com certeza ver motivos para tanto...

Cavernas e suas criaturas diabolicas.

Uma cobra coral gigante poderia povoar o pesadelo de qualquer cangaceiro.

Um mestre macaco gigante, lembrando os soldadinhos persecutores dos cangaceiros.



Este é o Purgatório de Virgílio, onde ele expia seus pecados tentando recuperar sua cabeça e alcancar o descanso eterno.






segunda-feira, 8 de novembro de 2021

Reflexões sobre o ultimo ciclo de Desenvolvimento

Recentemente concluí o desenvolvimento de meu jogo "O Purgatório de Virgílio" para ZX Spectrum. Vejo as pessoas se referindo a ele como "um pequeno jogo", e eu mesmo tenho essa tendência a falar o mesmo. No Entanto, as restrições do sistema e decisões sobre o tamanho do jogo me fazem voltar á reflexão sobre a duração de um jogo de videogame.

Sem muitos rodeios, hoje em dia eu penso que o crítério de duração de um jogo independente tem muito a ver com a relação de tempo do Jogador. Me colocando como jogador, tempo é o que não tenho. Quando paro para jogar algo, que nem é todo dia, é aquela "sentada" de uma hora de duração. Dado da realidade: eu envelheci, tenho 40 anos, tenho outras pioridades e atividades, não me sombra tempo e nem paciência pra ficar muito tempo jogando. As mãos e os olhos doem se eu ficar tempo demais na frente da tela e com o controle na mão. Dito isso, hoje em dia eu prefiro jogos que pra mim tem uma média duração, e aqui incluo meus jogos. Jogos de "uma sentada".

A indústria do jogo AAA foi pelo caminho de tornar os jogos cada vez mais longos. A lógica é a de "fazer valer" o dinheiro investido em máquinas e jogos caros (não só pro jogador, pois são jogos que precisam de orçamentos bilionários, equipes gigantes e tudo o mais). Se nos anos 80 utilizavam o artifício da dificuldade (as vezes exagerada) pra ter esse efeito, agora utilizam o da duração em horas. Como são as grandes produtoras que definem o mercado, eles ajudaram a mudar a percepção do que é um jogo grande, médio, ou de pequena duração. Pessoalmente pouco me intereça o AAA, do qual fazem anos que perdi genuíno interesse.

Eu prefiro pensar a duração de um jogo nos termos do cinema: 2 horas de duração é um longa metragem, meia hora a 1h são média metragens, e 15 minutos ou menos é um curta. Talvez você possa também pensar num RPG como uma minisérie, algo que você aprecia em capítulos um pouco a cada dia. Me interessa sempre entender o jogo como linguagem, semelhante a outras como o cinema ou quadrinhos, e não por critérios mercadológicos da moda.

O engraçado é que Purgatório de Virgílio, para os padrões do ZX Spectrum, não é um jogo curto. Se você fizer o jogo "correndo", e sem morrer, você deve levar de 25 a 30 minutos de jogo. Ninguém da comunidade de ZX Spectrum usou o adjetivo curto para ele, mas aquele público que descobre agora um jogo de ZX por vezes expressa essa impressão. Nesse ponto também me interessa como fazer um jogo retrô, fugindo da obsolescência programada da indústria, traz limitações técnicas que influenciam na forma estética do jogo. Em Virgil isso aparece o tempo todo, no visual, na música, repetição de telas, e claro, no tempo de Jogo.

O modelo mais comum de ZX Spectrum tinha 48kb de memória ram, sem rolagem de tela ou mesmo sprites via hardware. Uma das limitações da Engine MPAGD, que uso pra desenvolver o jogo, é que o jogo só pode ter no máximo esse tamanho (menos ainda por conta de outras limitações internas e alocações de memória para determinadas áreas do código na engine). Desenvolver o Virgil foi um desafio, na metade eu quase desisti, por conta de estourar a memória e fazer o jogo travar a todo momento, me obrigando a retornar e retirar ou refazer partes do jogo para economizar na contagem de bytes. As vezes um dia de programação adicionando coisas era seguido de outros 2 ou 3 de limpeza de código, ou refazendo as cosias de forma mais "econÔmica". Ao final pude ter um jogo com meia hora, 4 chefes de fase, 4 músicas, variados inimigos, tela de carregamento, e mecânica complexa para um jogo de tal sistema.

Para aqueles que se interessam pela parte técnica faço um resumo do "post mortem" do jogo: O visual dele, preto/vermelho/branco, foi uma escolha em parte para economizar gráfico de cenário. Mais importante, o estilo de usar blocos de 8x8 pixels nos "cenários de fundo", num estilo que lembra o Atari 2600 ou o Odyssey2, foi uam escolha estética guiada também por essa economia de tiles e por conta do "color clash" do ZX Spectrum. O ZX não tem hardware de sprites, ele rederiza tudo num único plano, e os sprites não tem propriedade de cor, eles utilizam a segunda cor do cenário atrás dele (cenário composto de blocos de 8x8 pixels com 2 cores cada).

Tanto no Virgil, quanto no jogo anterior que fiz pra ZX (Devwill Too), o máximo que consegui de telas únicas na memória foram 44 telas. Em ambos as telas elas são planejadas para que certas "entradas" e "saídas" das telas coincídam, de forma que eu possa reutilizar uma mesma tela ao lado de diferentes telas, ampliando o tamanho do cenário e fazendo um mapra maior com estas apenas 44 telas. Reduzi trechos das músicas, refiz loopings, tudo para diminuir elas e economizar bytes. No Virgil's eu utilizei uma programação de "sobrepor telas", onde podia programar para que certas telas rederizassem uma sobre a outra (os tiles transparentes da segudna tela não apagavam a tela que era rederizada antes). Dessa forma pude ter estas 44 telas com cenários de fundo complexos, com detalhes (também é comum ver em jogos de MPAGD cenários de fundo sempre pretos e sem detalhes). Cada inimigo, e principalmente chefes e o próprio avatar do jogador, exigem muitas e mutias linhas de código cada um (no total 5600 linhas de código da minha parte). A cabeça de Virgílio tem uma propramação só dela, cheia de excessões e possíveis situações e diferentes estados do ataque no jogo.

A conclusão é que os limites técnicos influenciaram minhas escolhas estéticas: desde a duração do jogo, o conteúdo em termos de texto e mecânicas. O que tento fazer aqui é pensar e trabalhar conscientemente esses limites à meu favor, por que consciente posso utilziar a linguagem com mais eficácia para conseguir um efeito estético ou outro e, é preciso frisar, falo estética não só como o a parte visual (ou a "aprência",  que o correto seria chamar de "cosmética"), mas compreendida como a articulação entre forma e conteúdo numa linguagem artística. Espero que se você leu até aqui, que pare pra pensar um pouco nos critérios do que definem se um jogo é longo, curto, as demais questões as quais apenas "levantei a bola", e o quanto isso tem ou não a ver com o real conteúdo de um jogo, por que nem sembre horas a fio de jogo significam "mais", se não por muitas vezes uma "encheção de linguiça". O Amigo Pedro paiva sempre diz algo como "meu tempo é precioso demais pra um jogo tomar mais que uma hora de mim". Só posso concordar.

Abaixo algumas imagens do jogo e seu desenvolvimento relacionadas ao texto e com legendas explicativas:


Telas do jogo finalizado, repare na escolha das cores e como a paisagem "de fundo" é montada com grandes blocos de 8x8 pixels.



Todas estas 4 telas aqui sã orederizadas com a sobreposição de uma tela com elementos de colisão sobre uma tela de "paisagem", feita para tornar as primeiras mais ricas visualmente economizando preciosos bytes de memória.



Neste vídeo o primeiro teste que fiz com a programação do "merge screen", onde a tela é rederizada em duas etapas, primeiro a tela 1 onde montei um cneário de fundo e sobre ela a tela 2, 3, etc, que tem os blocos do chão que colidem com as sprites.


Acima a tela do editor de mapa do MPAGD. Repare que algumas telas se repetem, elas foram feitas para isso. As telas de fundo não estão alocadas aqui, elas são carregadas no código da programação que fiz quando necessários (a grosso modo algo como se for a tela X, carrega primeiro a tela Y). Também utilizei uma boa parte do espaço disponível para montar o mapa, que só pode ter no mácimo 16 x 10 telas de largura e altura.



No Editor de telas do programa, esta é a tela 9. Como citado acima, esta tela não está alocada no mapa, ela é carregada manualmente via código antes de certas telas que a complementam.



Se você reparou que a tela 24 repete-se mutias vezes no mapa, agora vai entener: é apenas um céu negro, uma tela para ficar no topo das áreas abertas caso o jogador utilze o pulo duplo e "saia" pelo topo da tela (se não tivesse esta tela acima o sprite retornaria por baixo da tela de onde partiu em looping infinito. Tela feita com economia de tiles pq tava já estourando a quantidade de telas na memória.



Aqui um vídeo e resenha feitos por um jogador e resenhista de jogos de ZX Spectrum. Assistindo eu percebo que ele já tinha jogado antes e estava treinado no jogo, já sabendo por que caminho seguir sem perambular demais pelo purgatório. Ele joga do começo até o final do jogo em meia hora, e deixa de pegar 1 dos 4 corações que ampliam a vitalidade de Virgílio.


Lembrando que você pode adquirir o jogo no itchio, ou em meu site.Brasileiros podem ainda pagar o valor em reais via PIX conforme está no meu site.